Rumando para uma Sociedade Simples, Fácil e Carinhosa. (2)

1. Abordagem da Construção do Modelo – Em busca de uma figura que esteja de acordo com a razão da natureza

Olhando para o mundo atual, não apenas o problema atual da pandemia da COVID, mas também os problemas ambientais, disparidade econômica, dificuldades de emprego, falta de propósito na vida, reclusão social, dificuldade em criar filhos, dificuldade nas relações humanas, turbulência política, problemas de suicídio, conflitos e problemas de pobreza diversas partes no mundo, etc., parecem permanecer sem solução, apesar dos esforços de muitas pessoas.

São todos problemas que requerem providencias urgentes, muitas pessoas estão se concentrando em lidar com eles a resolvê-los. Penso que sejam iniciativas muito valiosas.

Por outro lado, existe uma abordagem a partir do um ângulo completamente diferente para melhorar o mundo. Em outras palavras, é uma a abordagem que é criar um modelo de sociedade ideal. A Comunidade Suzuka Rede As One, na qual trabalhamos há 20 anos, é um exemplo disso.

A sociedade ideal não significa o ideal que cada pessoa pensa a seu modo, mas significa a sociedade de acordo com a razão do mundo natural. No mundo natural do universo, tudo está conectado com tudo, nada existe sozinho e separado e tudo está mudando constantemente, estamos pensando se não seria isto é a razão do mundo natural.

Parece que tanto as pessoas como as coisas que existem nele, ora se manifesta por momento, e no momento seguinte, ora se transformando numa outra figura. Eu penso que o modo de vida das pessoas também pode ser confortavelmente preenchido e vivido em harmonia com tudo, sem desrazão, vivendo de uma forma que esteja de acordo com a razão deste mundo natural.

Penso que muitos dos problemas humanos e sociais nascem pelo fato fazerem coisas desrrazoadas e irracionais. É o desafio de experimentar criar uma sociedade de acordo com a razão da natureza, como um modelo, mesmo que seja em pequena escala. Penso que é numa sociedade assim, é que as pessoas se tornam capazes de viver carinhosamente, simples e facilmente, conforme o seu sentimento, de acordo como ele é.

Como em muitos casos, isso não leva a soluções diretas para os problemas urgentes, sou repreendido por aqueles que estão trabalhando em questões urgentes, “Você está falando como um sonhador!”, ” O que fazer quanto aos problemas da reais da atualidade?”

No entanto, embora pareça à primeira vista, ser um desvio longo do caminho, se pudéssemos criar um modelo que fosse de acordo com a razão do mundo natural, onde esses problemas deixam de ocorrer e desapareçam, no longo prazo, pensamos que proporcionará grande progresso para a sociedade.

Estamos pensando que será possível oferecer um material de referência, uma imagem modelo da próxima sociedade. Além disso, gostaríamos de oferecer um método para realizar o ideal (chamado de Método Scienz), que foi descoberto no processo da construção da comunidade, como um método que qualquer pessoa pode usar.

2. Estamos em guerra pela paz !?

Estive envolvido no movimento pela paz quando era estudante. No entanto, enquanto fazíamos greves e manifestações pelo movimento pacifista, às vezes brigava em vias de fato com as autoridades universitárias.

Além disso, frequentemente havia conflitos dentro do diretório dos estudantes. Desejando pela paz, pensando que “isso é necessário” e “temos que fazer algo a respeito”, todos estão fazendo o seu melhor, mas na realidade, acaba causando conflitos. Inevitavelmente acaba nascendo os inimigos. Sentindo-me contraditório, pensando e refletindo sobre isso, “O que estamos fazendo?”, decidi me retirar do movimento pela paz.

Ao olhar o mundo a partir das dúvidas que senti naquele momento, pude perceber que aparecem coisas com a mesma qualidade em várias situações. Pensando ser importante cumprir as promessas para mantermos as boas relações, culpo as pessoas que não conseguiram cumprir suas promessas e acabavam degringolando as relações.

Na tentativa de melhorar os relacionamentos, resolvi “agir pensando o bem de em todos” e culpar ou punir quem não conseguia, todos ficavam pressionados e retraídos piorando as relações. . .

Quanto mais repreendo as crianças que contam mentiras porque queremos criá-las para serem honestas e verdadeiras, mais elas mentirão por medo de serem repreendidas pelos pais. . .

Quanto mais estabelecemos regras para melhorar a sociedade e quanto mais mais punimos as pessoas que não seguem as regras para fazê-las seguir as regras, a sociedade fica cada vez mais apertada e constrangedora . . . Os exemplos são numerosos demais para serem mencionados.

Os desejos podem ser puros, mas quanto mais se esforçar para isso, sem saber porque, acaba acontecendo coisas que vão contra. O que será que isto acaba acontecendo?

A partir desta experiência, brotou consciência do problema, se não há algo inconsistente na abordagem em lidar com problemas atuais, que não leva a uma solução verdadeira? Afinal, se não encontrarmos a causa raiz e encontrarmos o que realmente desejamos, podemos nos levará a uma solução verdadeira.

E o que eu realmente desejo do fundo do coração, é que seja uma figura que corresponda a razão do mundo natural, é a perspectiva que passei a enxergar enquanto realizava a atividade de pesquisa, depois que me mudei para Suzuka. Já haviam passado mais de 20 anos, desde que o tempo de estudante universitário.

Eu ficaria contente se pudéssemos apresentar esse percurso e os exemplos concretos, a partir das nossas práticas, que vão sendo realizados conforme o desejado, sem ir contra o desejo sincero. No processo de criação da comunidade desde 2001, também encontramos o mesmo tema da “Guerrear pela paz!?”, houve muita aprendizagem no processo de superá-lo. Mesmo agora, continuamos a aprender.

Através desta série, espero que seja fundamentalmente revisada toda a vida social, vida familiar, ambiente de trabalho, ativismos, atividade empresarial, política, etc. e que seja concretizada uma sociedade onde as pessoas possam viver sem conflitos, confortavelmente conforme os sentimentos, carinhosamente, simples e facilmente, mente, seja concretizada.

Rumando para uma Sociedade Simples, Fácil e Carinhosa. (1)

Onde é possível viver sem conflitos, viver de acordo com os verdadeiros sentimentos.

Em primeiro lugar, dedico esse texto para as pessoas que buscam um novo mundo.

O planeta Terra vista do espaço, aparece linda, num tom de azul brilhante.
Originalmente, não há razão para haver coisas como fronteiras, parece que ela existe como um mundo harmonioso, único.

Seria possível haver uma sociedade, tal como figura original do planeta Terra, os seres humanos também viverem junto a natureza, de acordo com os seus sentimentos mais puros, sem conflitos, simples, fácil e carinhosamente?

A fim de realizar com seriedade, esse desejo tão singelo, desde 2001, viemos trabalhando na tentativa (experimentação) de criar nova sociedade, que chamamos de “Comunidade Suzuka Rede As One”.

Por meio de pesquisas e repetidos experimentos em direção ao ideal, nos tornamos uma comunidade de quase 200 pessoas, composta desde bebês até idosos.

Embora em pequena escala, por ser uma tentativa de criar uma sociedade, são abordados os temas da vida humana de forma geral em diversas áreas. Relações humanas, conversas mútuas, gestão organizacional, tomada de decisão, gestão empresarial, organização econômica, vida familiar, casamento, creche, educação, trabalho profissional, arte, hobbies, cultura… Como ir na direção do ideal, revendo a partir do zero? Viemos assim, investigando, experimentando e avançando até aqui.

Esse processo nem sempre correu sem percalços. Por ser uma tentativa pioneira no mundo nunca vista antes, pelo que não havia modelo a seguir, tateando às cegas, cometemos muitos erros e mal-entendidos. Porque éramos pessoas inexperientes, a tentar crescer juntas, muitos problemas surgiram pelo caminho, tivemos de enfrenta-los, cada vez que surgiam.

Houve momentos em que os relacionamentos não estavam funcionando e algumas pessoas saíram, houve coisas que não foram possíveis de ser conversadas, até houve momentos que chegamos a impasses financeiros.

Penso que o que vivenciamos neste processo de 20 anos de construção da comunidade, o que descobrimos nele e o que percebemos podem ser materiais de referência e ativos muito importantes para muitas pessoas.

Não apenas para aqueles que querem promover a construção da comunidade, mas também para aqueles que buscam melhores relacionamentos em casa, na comunidade e no local de trabalho, para aqueles que buscam conversas mútuas significativas, para as novas organizações, como as Organizações TEAL e Gestão pela Holocracia, pessoas que procuram novas formas de tomada de decisões, pessoas que querem pensar na formação e crescimento original do ser humano, pessoas que querem criar um espaço livre, pessoas que buscam a forma de viver, os jovens como jovens, idosos como idosos, etc.

Penso que será útil para aqueles que procuram um modo de vida humano, para aqueles que sentem a turbulência da democracia e procuram uma nova gestão social, para aqueles que sentem o impasse do capitalismo e querem desenhar uma nova economia… Penso que serão úteis para todas essas pessoas.

A maior fator que veio à luz na promoção da construção da comunidade é que as relações humanas são a mais importante na comunidade, na gestão da empresa e na promoção das atividades.

De acordo com o “Adult Development Study” da Harvard University, nos Estados Unidos, há mais de 75 anos, é relatado que “uma vida feliz é construída por bons relacionamentos”.

O ser humano são animais que vivem juntas pessoas com pessoas. Penso que seja evidente que a qualidade das relações humanas afete a vida e as atividades das pessoas.

Eu gostaria de apresentar os problemas dos relacionamentos humanos que ficaram evidentes no processo de construção da comunidade e também apresentar a chave para tornar bons os relacionamentos. Penso que que isso pode ser uma referência para todos.

Não viemos fazendo as nossas tentativas e os experimentos, apenas para nós mesmos. Se houver algo que pudessem ser usadas e vivificadas, nas coisas que conseguirem enxergar a partir das nossas tentativas, gostaríamos que fossem usadas e o que quer que seja, gostaríamos de oferecer o que pudermos. É claro que, desta vez, só posso apresentar apenas uma parte, devido às limitações de espaço gráfico e da minha capacidade de expressão.

Nem pensamos que nossas tentativas e experimentos são “corretas” ou “sem erros”, portanto não é algo a ser ensinado nem forçado. É uma tentativa e experimento de buscar o ideal à nossa maneira, então me alegraria e ficaria grato se pudessem usar isso como um material de consulta ou referência, depois de examinar e investigar apuradamente.

continua aqui

O que se faz no Seminário As One – 27/11/2021

Realizado 3o. evento on-line “O que ser faz no Seminário As One” (27/11/2021) com 49 participantes. Muita risada, momentos de partilha sobre as experiências no Seminário As One..

Seminário As One – 11/2021

Os participantes desse Seminário foram quase todos irmãos, filhos, sobrinhos, namorados e pais de pessoas que já fizeram o Seminário. Parece que dentro das pessoas que participam surge a vontade de enviar as pessoas mais próximas. Talvez sintam como o qualidade da relação muda quando aumentam ao redor as pessoas que passam por uma experiência de rever as coisas a partir do Zero. Pela primeira vez veio um jovem participante da Colômbia. Quem sabe foi plantado uma semente para levar o Seminário AsOne para os países da América Latina que falam espanhol?

Algumas vozes dos participantes:
“Pela primeira na vida me percebo como uma pessoa flexível. Sempre pensei de mim que tenho pensamentos fortes e sou teimosa, mas durante o Seminário comecei a me conhecer como alguém questionador. Isso me deixou muito mais tranquila. Não preciso ter respostas prontas para tudo, posso sempre pensar mais.” (Mulher, 28 anos)

“Vim da Colômbia para o Brasil em busca de uma vida mais significativa e fiquei surpreso de achar isso neste Seminário. Minha companheira me sugeriu o Seminário e estou muito grato pela oportunidade que tive de olhar para mim mesmo com tanta calma. Senti como as pessoas se abrem quando estão em um ambiente que não julga ou condena.” (Homen, 27 anos)

“Para mim, foi fundamental examinar uma situação que tive com a minha filha antes do Seminário. Foi surpreendente ver que eu estava acusando a minha filha de me causar sentimentos ruins, quando na verdade eu não estava ouvindo o que ela quis dizer para mim. Emoções fortes surgem dentro de nós quando as ideias sobre certo e errado tomam conta de nós. Vi o quanto faz diferença olhar para essas ideias e examinar se realmente existe algo tão fixo.” (Mulher, 73 anos)

evento on-line

Gabriel Siqueira (Diretor de Alianças da Rede Global de Ecovilas (GEN) e Masashi Ono (Diretor do Instituto ScienZ - Comunidade Rede As One de Suzuka Japão) estarão conversando sobre as suas experiências sobre sociedade, relações humanas sustentáveis, ecovilas e comunidades intencionais,


Gabriel Siqueira: Bacharel em Administração pela Universidade Federal de Santa Catarina, fez o projeto de mestrado em sustentabilidade, gestão comunitária, ecovilas e racionalidade substantiva. Criador do site “Irradiando Luz” desde 2010, ministra on-line sobre eco vilas. Atualmente dirige a área e a equipe de Comunicação e Advocacy da GEN – Global Ecovillage Network. Tece conexões, cuida de parcerias, colaboração e solidariedade na rede de ecovilas, demonstra o trabalho regenerativo feito pelas comunidades, e soma esforços com outros atores no movimento mais amplo por transição para um mundo pacífico, justo e regenerativo. Desenvolve a identidade pública, a marca, a comunicação e o marketing da GEN Internacional.


Masashi Ono: Diretor representante do Scienz Institute, desde estudante vive em busca da construção de uma sociedade sustentável. Foi morador da Vila Yamaguishi em Jaguariuna/SP de 1997 a 2000 e a partir de 2001, vive e trabalha na realização da eco-comunidade urbana japonesa “As One Network Suzuka Community”, que tem como base a atividade da pesquisa e esclarecimento do estado original da sociedade e do ser humano. Formado em Psicologia Educacional pela Universidade de Tóquio, participa também no desenvolvimento de programas de educação e apoio concreto para a construção de comunidades intencionais (ecovilas) no Japão, Coreia do Sul, Brasil e Suiça, além de ser educador da Gaia Education Japan.

Inscrição por aqui:
https://forms.gle/12vens2XwtXJD84H8